Europa quer metas claras na Rio+20

Base de discussão será ampliada. Secretário espera 80 chefes de Estado

Claudio Motta – O Globo

A Europa quer que a Rio+20 estabeleça compromissos claros e crie metas ambientais globais, mas não as especificou. O principal negociador europeu, o esloveno Janez Potocnik, alegou que o processo de negociação ainda está em curso. Em visita ao Brasil, ele se disse otimista com a conferência sobre desenvolvimento sustentável promovida pela ONU em junho, e falou sobre o fortalecimento do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma) defendido pelos europeus.

A 95 dias da conferência, as negociações esquentam. Para rebater as críticas de que falta ambição ao documento que servirá como base para as discussões, o rascunho zero, o secretário-executivo da Comissão Nacional da Rio+20, embaixador Luiz Alberto Figueiredo, afirmou que ele sofrerá modificações.

Além disso, anunciou a vinda de cerca de 80 chefes de Estado.

- Acredito que teremos compromissos concretos e ações. E devemos falar sobre prazos também - disse Potocnik ao GLOBO. - Acreditamos na Europa que o processo de sustentabilidade precisa de três pilares: econômico, social e ambiental. Quanto ao Pnuma, achamos que o programa deve ser ampliado e obter o status de agência da ONU sediada em Nairóbi.

Os europeus querem criar mecanismos para ampliar a produção de energia renovável, aumentar a eficiência do uso da água, diminuir a degradação das florestas e proteger ecossistemas e oceanos, além de reduzir os impactos causados pelo lixo. Potocnik destaca a revisão dos Objetivos do Milênio, estabelecidos pela ONU em 2000 com prazo até 2015. Esta proposta europeia coincide com a brasileira. Segundo o embaixador Figueiredo, os chamados Objetivos do Desenvolvimento Sustentável incluirão critérios ambientais.

- O Brasil defende que saiamos do Rio(+20) com a aprovação de áreas com metas de desenvolvimento sustentável, aplicáveis a todos os países, e não mais aos países em desenvolvimento; com objetivos e números (detalhados) - disse Figueiredo à Globonews.

O negociador europeu concorda com a necessidade de alterar o rascunho zero. Para Potocnik, é preciso dar ênfase às questões principais, e evitar um texto genérico. Os negociadores da Europa virão ao Rio com o objetivo claro de criar novas bases ambientais, que vão contribuir com a retomada do crescimento econômico no velho continente:

- Não estamos falando em parar de crescer. Mas de crescer sendo eficiente e respeitando os limites do planeta.

O europeu não comentou as discussões sobre o novo código florestal brasileiro, alegando que se trata de uma questão doméstica. Mas disse que os países em desenvolvimento devem evitar os erros cometidos pelos mais industrializados.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas