Sertanejos dividem água com animais, mas não impedem morte do gado com seca no Nordeste

Carlos Madeiro
Do UOL, em Poço Redondo (SE)

A seca que assola o sertão nordestino mudou a vida dos criadores de gado nos municípios que sofrem com a severa estiagem há pelo menos oito meses. Sem chuva, o pasto foi reduzido à areia. Debilitados pelo alimento escasso, muitos animais já estão morrendo de sede e fome, gerando verdadeiros cemitérios a céu aberto. Além de não ter capim para dar a ovinos e bovinos, os produtores ainda são obrigados a comprar ração e complementos alimentícios a preços inflacionados.

Não é difícil encontrar animais mortos pelas estradas, pastos e riachos secos no sertão do Nordeste. Para evitar mortes, muitos produtores dividem a água que recebem com os animais para evitar que eles fiquem ainda mais debilitados. Outros preferem vender animais a preços até 50% menores e evitar as mortes.

Em Poço Redondo, município mais afetado pela seca em Sergipe, todos os criadores ouvidos pelo UOL afirmam que já perderam animais com a estiagem. No riacho do Brás, que está completamente seco há meses, carcaças de bois e vacas estão espalhadas pelo local. Em pouco mais de 300 metros, a reportagem encontrou sete animais mortos. O último deles, segundo a dona do terreno, morreu no fim de semana anterior à visita.

“É uma tristeza grande demais. Se não chover, ou o governo não ajudar com ração, em três meses não teremos nenhum animal vivo mais na cidade”, disse a pecuarista Sônia Souza Costa, que viu a morte de sete de suas vacas nos últimos meses.

“Se pelo menos o governo ajudasse com a ração, que é o que faz os animais darem leite, ajudaria bastante. Mas até agora recebemos água de carro-pipa só para nosso abastecimento de casa. Mas, mesmo não dando, temos que dividir a água com os animais para que eles não morram”, afirma.

Para evitar mortes, Alexandre Fernando da Silva, 55, vendeu dois animais por R$ 300 cada, quando poderia cobrar R$ 600 por cabeça. "Se não for assim, não teríamos como manter o resto", diz o sertanejo, que tem 15 cabeças de gado na cidade.


Mapa mostra as cidades visitadas pelo UOL em quatro Estados
 Arte UOL
Perda de leite

Dona da maior bacia leiteira de Alagoas, a região do município de Batalha é uma das que mais sofre com a seca e já viu a produção de leite cair à quase metade. Na zona rural, os pecuaristas são obrigados a vender animais para garantir o sustento dos outros bichos.

“Nunca vi chegarmos ao mês de maio numa situação dessa, tão seca. Do jeito que vai, não tem quem suporte muito tempo”, diz José Carlos Matias, 31, responsável pela criação de animais numa fazenda.

Por conta da seca e sem recursos, Matias conta que já teve que vender pelo menos uma vaca para comprar alimento para o gado. “Olha o capim que a gente está dando”, diz o criador, apontando para um mato seco colhido no terreno ao lado e transportado em uma pequena carroça por duas crianças.


“Essa seca está lascando todo mundo. Igual a essa, só vi nos anos 70. Todo mundo está tendo prejuízo com a falta de leite”, afirmou Antônio Tenório Bezerra, 47.

Aos 80 anos, Antônio Saturnino também lamenta o sofrimento do gado com a estiagem. "Crio minha palma [espécie de planta que resiste à seca e que é dada de alimento ao gado] aqui do lado. Se não fosse isso, já teria perdido meus quatro animais. Muita gente está perdendo. É muito triste essa situação", conta.
Preços

Não bastasse a falta de pasto, os produtores reclamam dos altos preços praticados por fazendeiros e comerciantes que vendem produtos que substituem o capim. A tarefa da palma (correspondente à área plantada de 3.052 metros quadrados), que não passava de R$ 1.200, já está sendo vendida a R$ 2.500 em vários pontos do Nordeste.

Os farelos de trigo, milho ou algodão também está com preços até 200% maiores nessa época do ano. A tendência é que o preço suba ainda mais nas próximas semanas. “Essa realmente é a tendência, mas não é culpa nossa, pois já recebemos os produtos mais caros. Em vez de lucrar mais, estou lucrando menos, pois as vendas caíram muito”, alega um vendedor.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas