Com agravamento da seca, Maceió passa a ter rodízio no abastecimento de água a partir de hoje

Carlos Madeiro
Do UOL, em Maceió

A partir desta quarta-feira (28), os moradores da parte alta de Maceió passam a conviver com o rodízio no abastecimento de água. A medida foi anunciada pela Casal (Companhia de Saneamento de Alagoas) na segunda-feira (26) e vai afetar a região do Tabuleiro. Segundas, quartas e sextas serão abastecidos o conjunto Medeiros Neto e o bairro do Tabuleiro Velho. Às terças, quintas e sábados, o abastecimento será no conjunto Santos Dumont e os bairros Clima Bom e Rio Novo.

Apesar de estar em pleno litoral nordestino, a capital alagoana é mais uma das cidades mais afetadas pela maior seca dos últimos 40 anos no Nordeste. Em Alagoas, 36 dos 102 municípios estão em situação de emergência por conta da estiagem –todos enfrentam racionamento no abastecimento urbano. Segundo autoridades, a falta de chuvas tem agravado a situação dos moradores do semiárido e afetado os níveis dos mananciais.

Segundo a Casal, a medida foi tomada por causa da redução no volume de água da barragem do Catolé, que abastece 20% de Maceió. A Casal informou que vai monitorar os níveis da barragem e, de acordo com a readequação satisfatória de níveis, o rodízio poderá ser suspenso.

O presidente da Casal, Álvaro Menezes, explicou ao UOL que a o rodízio foi adotado de forma preventiva pela redução da quantidade de água no manancial e pretende evitar um possível colapso no abastecimento da capital alagoana, que poderia ocorrer com a continuidade da estiagem.

“Esse sistema Catolé é usado desde 1947 e nunca viveu uma situação como essa, de estiagem tão forte. Trabalho há 27 anos na Casal e nunca vi uma situação assim, de ser necessário rodízio na capital pela falta de chuva”, explicou.

Segundo o cronograma estabelecido pelo setor operacional da companhia, a região do Tabuleiro será dividida em duas partes: uma delas receberá água nos dias pares e a outra nos dias ímpares.
Outras cidades

Segundo Álvaro Menezes, além de Maceió, outras três cidades da região metropolitana da capital estão enfrentando problemas no abastecimento e também estão recebendo água no sistema de rodízio: Coqueiro Seco, Santa Luzia do Norte e Satuba.

O presidente da Casal ainda aponta que a previsão é que as chuvas no Estado só ocorram a partir do segundo bimestre de 2013. “O Estado de Alagoas enfrenta uma situação de muita dificuldade, e chega a ser mais grave porque a nossa fase de estiagem é justamente nesse período de ano. Só em março devemos ter chuva mesmo”, ressaltou.

De acordo com o presidente da companhia, vários municípios do interior, em especial no sertão, estão enfrentando racionamento e são abastecidos com carros-pipa. “É necessário controlar a distribuição de água para garantir o abastecimento. Mas se a estiagem se prolongar, podemos chegar a racionamentos mais radicais. Com o nível dos rios como estamos, acho que dá para chegar até março. Mas estamos tomando outras medidas, perfurando poços e reativando poços que haviam sido deixados de lado.”
Postar um comentário

Postagens mais visitadas