Pelo menos um quarto do lixo retirado das grandes obras é reaproveitado

Entre 2010 e 2016 serão pelo menos 9,5 milhões de toneladas de resíduos



O Globo

RIO - Com mais de R$ 35 bilhões em obras sendo executadas ou prestes a começar na cidade, um desafio surgiu nos canteiros. O que fazer com as toneladas de entulho produzidas? Afinal, segundo levantamento feito pelo GLOBO, entre 2010 e 2016 serão pelo menos 9,5 milhões de toneladas de resíduos. Mas, em muitos empreendimentos, o que poderia ser um problema acabou representando economia de dinheiro, menos caminhões circulando pelas ruas em direção aos aterros, além de redução do consumo de matéria-prima. Pelo menos 25% desse material (2,2 milhões de toneladas) estão sendo ou já foram reaproveitados.

Apenas nas obras do Porto Maravilha estão sendo geradas quase um milhão de toneladas de detritos e pedras com as escavações do Túnel Rio 450 Anos, previsto para ser aberto em 2015. Desse total, 66% estão sendo reaproveitados. Um depósito provisório para guardar o entulho foi instalado num terreno da Radial Oeste, no Maracanã, onde o material é reciclado.

— O entulho é transformado em pedra e brita numa usina de reciclagem que implantamos próximo ao Terminal Rodoviário Henrique Lott (perto da Rodoviária). Todas as ruas que já foram pavimentadas ou estão em obras receberam material reciclado. Isso inclui a Via Binário — explicou o presidente do Consórcio Porto Novo, José Renato Ponte.

No caso das vigas da Perimetral, boa parte foi vendida pela prefeitura. Mas algumas foram reaproveitadas nas fundações do Centro de Controle Operacional (em construção), que vai monitorar as operações do Túnel 450 anos.

No futuro Parque Olímpico, na Barra, o Consórcio Rio Mais, que executa as obras numa parceria público-privada, está reaproveitando o entulho gerado pela retirada de toneladas de concreto do antigo Autódromo Nelson Piquet. Conforme a qualidade do material, ele pode ser aplicado como aterro, na construção de meios-fios ou na base da futura pavimentação.

BRTs SUSTENTÁVEIS

Na implantação dos BRTs, estão sendo reaproveitadas 1,2 milhão de toneladas de detritos. No caso do Transolímpico (Barra-Deodoro), até os escombros de casas de luxo demolidas para a passagem do corredor estão sendo reaproveitados em pavimentação.

— Temos procurado usar bastante material reciclado em obras públicas. Isso alivia a exploração mineral, principalmente saibreiras e pedreiras, e os aterros sanitários que recebem esse tipo de material. Isso gera uma economia que é utilizada em outras obras — explicou o secretário municipal de Obras, Alexandre Pinto.

O presidente da Associação Brasileira para Reciclagem de Resíduos da Construção Civil e Demolição, Hewerton Bartoli, explica que o reaproveitamento de entulho é uma estratégia que começou a ser aplicada com mais intensidade há apenas dez anos no Brasil. Mas muitas empresas já se sentem estimuladas em implantar políticas de reaproveitamento em busca de obter certificações internacionais que qualificam as obras como sustentáveis, valorizando o produto.

Ele cita como exemplo o projeto do condomínio Ilha Pura, na Barra, que, durante os Jogos, servirá de hospedagem para os atletas. O especialista, que atuou como consultor do projeto, contou que 10 mil metros cúbicos de resíduos de concreto decorrentes da construção dos 33 prédios foram reciclados no próprio canteiro. Segundo ele, descontadas as despesas com o projeto, o reaproveitamento permitiu uma economia de cerca de R$ 1 milhão em deslocamentos de caminhão a aterros sanitários e aquisição de matérias-primas:

— Rio e São Paulo estão na vanguarda desse processo. Embora São Paulo conte com mais usinas, o Rio é um polo importante pela quantidade de obras.

Pela legislação atual, o entulho só pode ser usado por uma empresa no mesmo canteiro de obras. Quando isso não é possível, o material é encaminhado para depósitos e fica à disposição da União para reaproveitamento em outros empreendimentos. É o que está acontecendo, por exemplo, nas obras da Linha 4 do metrô (Barra-Ipanema), responsável pela geração de 42% do entulho das grandes obras (4 milhões de toneladas), e dos piscinões contra enchentes na Grande Tijuca.

Para o presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil (Sinduscom), Roberto Kauffmann, iniciativas sustentáveis podem ajudar a reduzir ainda mais o entulho gerado por obras. Ele diz que um projeto de autoria do deputado Carlos Minc (PT), aprovado pela Alerj na semana passada, prevê a isenção de ICMS para produtos fabricados a partir de restos de entulho e poderá ajudar a viabilizar financeiramente um projeto dos empresários:

— Numa feira em Xangai, vimos que esses materiais têm sido aproveitados na construção de casas populares. O entulho também poderia ser reaproveitado em unidades do Minha Casa Minha Vida. Isso e a isenção fiscal ajudariam a reduzir os custos dos projeto.

Investidores privados cada vez mais se interessam pelo negócio. A empresa especializada em demolições Fábio Bruno, que fez a demolição e a reciclagem dos detritos da antiga Fábrica da Brahma no próprio canteiro de obras, na Praça Onze, em 2010, aposta no reaproveitamento dos resíduos de obras. A empresa inaugurou, no fim do ano passado, uma central de reciclagem de entulho, em Inhaúma, na Zona Norte, em parceria com a Lafarge. Empresários pagam cerca de R$ 10 por metro cúbico para deixar o material na central, que é reciclado e revendido. Algumas demolições da própria empresa também são recicladas ali.

— Estamos reciclando 10 mil metros cúbicos por mês e queremos dobrar até 2015. O negócio não é fácil, mas a demanda vem aumentando mês a mês. Por enquanto não dá retorno, mas a gente acha que no futuro vai ser um bom negócio — contou o dono da empresa, Fábio Bruno.

A secretaria municipal do Meio Ambiente diz incentivar o uso de matérias-primas recicladas. Desde 2011, intervenções da prefeitura são obrigadas a usar material reciclado no próprio canteiro. Além disso, obras particulares que precisam de licenciamento ambiental também são obrigadas a reaproveitar os detritos.

‘A RECICLAGEM É UM NEGÓCIO’

O presidente da Comissão de Materiais do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado do Rio (Sinduscon-Rio), Lydio Bandeira de Mello, elogia os incentivos:

— Quando obras do município privilegiam materiais reciclados, você está incentivando empresas a entrarem nesse ramo, criando demanda. Esse é o ponto: reciclagem é um negócio e precisa ter mercado. Ainda não está na cultura das empresas, a maior parte não recicla. De cinco anos para cá, em obras que geram muito entulho, como implosões, algumas empresas começaram a reciclar no próprio canteiro de obras.

Já o presidente do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (Crea-RJ), Agostinho Guerreiro, afirma que a reciclagem de resíduos da construção civil é uma tendência mundial e que, no Rio, a prefeitura poderia incentivar ainda mais a prática:

— O incentivo está sendo feito e caminha em boa direção, mas é preciso caminhar mais rápido. É preciso ter uma política pública que seja transparente, para que todas as empresas conheçam. Isso é o ponto que está faltando.


Clique na imagem para vê-la ampliada


Postar um comentário

Postagens mais visitadas