Tempestade com ventos de até 80 km/h arranca mais de 100 árvores e destelha casas em Maricá, no RJ

Defesa Civil afirma que aquecimento comum no verão se encontrou com grande massa de umidade provocando picos de vento a 80 km/h na noite de segunda-feira (15)


Por Amaro Mota e Ariane Marques | G1 Região dos Lagos

Imagens mostram o momento em que uma tempestade com rajadas de ventos de até 80 km/h atingiu Maricá (RJ) na noite desta segunda-feira (15) causando a queda de 114 árvores, falta de energia elétrica e destelhamento de parte do telhado da Prefeitura da cidade e de algumas casas. Foram 43 milímetros de chuva entre 19h e 20h30.

Equipes da Prefeitura retiraram 114 árvores de vias da cidade (Foto: Divulgação/Secretaria de Conservação de Maricá)
Equipes da Prefeitura retiraram 114 árvores de vias da cidade (Foto: Divulgação/Secretaria de Conservação de Maricá)

Ninguém ficou ferido ou desalojado, segundo a Defesa Civil, mas o cenário da cidade na manhã desta terça (16) assuntou os moradores. A força do vento arrancou da raiz árvores gigantes.

No Centro de Maricá, às margens do RJ-106, um poste caiu e os fios ficaram sobre um carro. Para não ser eletrocutado, o motorista seguiu as orientações dos bombeiros e só saiu do veículo depois que a concessionária Enel desativou a energia.

Segundo a Defesa Civil, o aquecimento comum no verão se encontrou com uma grande massa de umidade e provocou a mudança climática. A Prefeitura informou que a situação já está sob controle.


Síndico de condomínio em Maricá ficou assuntado com a destruição causada pela força do vento (Foto: Reprodução/Inter TV)
Síndico de condomínio em Maricá ficou assuntado com a destruição causada pela força do vento (Foto: Reprodução/Inter TV)

A Prefeitura disse ainda que 300 homens da Secretaria de Conservação atuaram na retirada das árvores caídas em regiões como Itaipuaçu, Bananal, Rua 90 em Cordeirinho, Centro, Parque Eldorado, Parque da Cidade, Pedreira, Flamengo, Nova Metrópole, Bairro da Amizade, Caju, Jacaroá e Gamboa.

Foram utilizados oito retroescavadeiras, oito caminhões com caçambas, quatro caminhões com carroceria de madeira e cinco equipes de poda na remoção dos entulhos.

“A situação está absolutamente sobre controle. Tivemos um volume e uma intensidade de vento e chuva muito fortes. Desde ontem à noite, as nossas equipes da Conservação, da Defesa Civil e Obras estavam nas ruas desobstruindo vias e junto com Enel, que reforçou a quantidade de prestadores de serviços aqui, conseguimos religar alguns pontos da cidade que estavam sem energia elétrica”, disse o prefeito Fabiano Horta (PT).

A Enel disse que triplicou o número de equipes atuando na cidade e que elas "trabalham para normalizar o serviço por completo o mais rapidamente possível".

A arquiteta Bárbara Dessupoio, moradora do bairro Cordeirinho, fez imagens do quintal de sua casa. O vídeo mostra o vento lançando mesas e cadeiras. Ela também registrou a chuva forte.

"Primeiro, o tempo começou a fechar com algumas nuvens e relampejava muito, do nada começou o vendaval que arrancou várias telhas das casas, derrubou árvores e postes. Depois começou a chover junto com o vento. Não durou muito, foi questão de uma hora no máximo, mas ficamos sem luz de ontem até as 14h30 de hoje, mais ou menos", disse a moradora.

Até a publicação desta reportagem, a Defesa Civil recebeu 22 chamados para retirada de galhos, árvores e postes caídos ou telhas em fiações. Para chamadas de emergências os telefones da Defesa Civil são (21) 2637-1999 ou 199.

“Ainda estamos nas ruas, e se for preciso, vamos criar um plantão para que até esta noite a cidade esteja completamente em ordem”, afirmou o coordenador geral da Secretaria de Conservação, Rodrigo Fagundes.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas