Perto da Rússia é detectada partícula radioativa enigmática

Na região das ilhas Aleutas, estado do Alasca, à altitude de sete quilômetros, foi detectada uma partícula aerossol com uma certa quantidade de urânio enriquecido.


Sputnik

O fato é indicado em uma pesquisa de um grupo de investigadores dos EUA e Noruega publicada na revista científica Journal of Environmental Radioactivity.


Sinal de radiação em frente da usina nuclear em Chernobyl
© AFP 2018/ ANATOLII STEPANOV

No estudo se salienta que, durante vinte anos de observações, os pesquisadores detectaram pela primeira vez na atmosfera uma partícula contendo alta concentração do isótopo de urânio U-235. A maior parte das partículas aerossóis é fruto da combustão de combustível pesado.

A análise de trajetórias do vento e os modelos de dispersão de partículas aéreas mostra que essa quantidade de partículas pode ter tido origem em um dos países asiáticos: China, Coreia do Norte ou Japão.

Os cientistas sublinham que as partículas contendo o isótopo U-235, "certamente não são de origem natural". Com isso, os cientistas não podem determinar a sua origem com exatidão.

"O trabalho científico foi publicado pois queríamos saber se alguém que sabe do urânio mais do que nós poderá estabelecer a origem da partícula", declarou um dos autores da pesquisa Dan Murphy.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas